Foi por isso que deixei o Twitter...

Ray Ortlund

Ray Ortlund

23 jun. de 2022

|

4 minutos de leitura

O que falarei aqui é uma posição pessoal. Não é minha intenção tecer críticas a alguém em específico. Para alguns, o Twitter pode até mesmo ser uma necessidade relacionada ao trabalho. Mas, no meu caso, estou fora. Relutantemente, admito, pois é sim possível fazer algo bom com o uso do Twitter, mas, ainda assim, estou fora.

Por que? Bom, darei alguns breves motivos.

Minha ética do Twitter é fortemente influênciada pelos seguintes trechos das Escrituras:

“Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos” (Romanos 12:17). Exposição pública requer uma reflexão cuidadosa.

“Seja a amabilidade de vocês conhecida por todos” (Filipenses 4:5). Os cristãos deveriam ser conhecidos pela sua sensatez em meio a um mundo que destila ódio.

“(...) a ira do homem não produz a justiça de Deus” (Tiago1:20). Nosso fervor moral pode, muitas vezes, parecer algo louvável, mas é apenas imoral e danoso à reta justiça.

“Tudo seja feito para a edificação da Igreja” (1 Coríntios 14:26). “Tudo”, incluindo o seus tweets. Cada um deles.

“O tolo dá vazão à sua ira, mas o sábio domina-se” (Provérbios 29:11). Um pensamento comum que com bastante frequência me vêm à mente: “Ray, cala a boca!”

“Ao entrarem na casa, saúdem-na. Se a casa for digna, que a paz de vocês repouse sobre ela; se não for, que a paz retorne para vocês” (Mateus 10:12, 13). Algumas pessoas simplesmente nunca ficaram satisfeitas pois estão, obviamente, insatisfeitas. Quando me encontro alguma dessas pessoas, o Senhor me orienta a parar e, com tristeza, dar meia volta, permitindo que a paz retorne para mim.

Isto posto, três pontos importante pesaram na minha decisão:


"Os cristãos deveriam ser conhecidos pela sua sensatez em meio a um mundo que destila ódio."


Primeiro: o bem que pode ser alcançado por intermédio do uso do Twitter pode também ser alcançado – e de modo muito mais frutífero – na vida real.

Ficar subindo a tela do Twitter é uma experiência bastante intensa que pode, na mesma intensidade, nos fazer de tolos. Faz parecer ser mais real do que, de fato, o é. A demanda emocional é alta demais. O Twitter trai essa conectividade que nos atrai para ele. Acabamos cada vez mais acanhados, até mesmo injuriados. Por anos, diante do custo-benefício, sempre fiz o cálculo ser favorável aos benefícios. Eu não consigo mais fazer isso.

Segundo: estou profundamente deprimido com o comportamento dos cristãos no Twitter. Há tantos que eu admiro! Mas o Twitter parece ser capaz de tirar o pior de cada um de nós. E é nítido que alguns nós não percebem o mal que estamos fazendo. As acusações irresponsáveis, as brincadeiras odiosas, a audácia, as reações-gatilho, as calúnias irreverentes... Por graça, raramente fui alvo desse horror. Contudo, mesmo apenas observando, minha alma começa a sofrer. Me sinto imundo.

Como amo dizer, “a doutrina cristã cria a cultura cristã.” Nós todos falhamos em incorporar a beleza do Evangelho. Eu com certeza falho. Contudo, quando passamos a cruzar essa linha para exibir, repetida e publicamente, o exato oposto de Jesus, eu me oponho. Eu me oponho com cada força do meu ser. Me recuso a estar envolvido nisso.

Terceiro: o Twitter consome muito tempo e não tenho todo esse tempo para perder. Para um homem na casa dos 70, eu sou supreendentemente saudável. Contudo, cedo ou tarde, algo ruim me encontrará para me derrubar. Ok, sei que Jesus está preparando um lugar eterno para mim, mas e se eu morrer, digamos, no meu aniversário de 80 anos. É algo hipotético, mas bastante plausível. Caso isso aconteça, significa que tenho apenas 2677 dias restantes neste mundo. E, no dia da minha morte, você acha que me arrependerei de não ter gasto esse tempo com o Twitter?

A resposta é óbvia.

Sentirei falta de interagir com os meus amigos do Twitter. Você sabe quem você realmente é e aposto que você é uma pessoa incrível, mas amizades são melhores cara-a-cara. Seja lá onde você estiver, Deus te deu verdadeiros amigos. Como Shakespeare sabiamente disse: “prende-os na tua alma com grampos de aço.”

Portanto, por que não ligar agora mesmo para algum amigo querido e dizer o quanto ele significa para você?

“O próprio Senhor da Paz dê a vocês a paz em todo o tempo e de todas as formas. O Senhor seja com todos vocês” (2 Tessalonicenses 3:16).

P.S.: baixei todo o histórico do meu Twitter. Tenho tudo gravado.

A pirâmide da sabedoria

Brett McCracken

A pirâmide da sabedoria

R$30,00

Original: Escrito por Ray Ortlund © The Gospel Coalition. Website: https://www.thegospelcoalition.org/blogs/ray-ortlund/why-i-got-out-of-twitter/

© The Pilgrim. Website: thepilgrim.com.br. Todos os direitos reservados.

Tradução: Maurício Avoletta Júnior

O ponto de vista deste texto é de responsabilidade de seu(s) autor(es) e colaboradores direitos, não refletindo necessariamente a posição da Pilgrim ou de sua equipe de profissionais.


Ray Ortlund

Ray Ortlund

pastor da igreja Immanuel Church, em Nashville, Tennessee. Ortlund é também presidente do Renewal Ministries e participa dos conselhos do The Gospel Coalition.


Para aprofundar no tema

Produtos Relacionados


Continue lendo

Posts Relacionados

Barracas de mercado
Vida cristã

O mercado das emoções

Tente se lembrar de todas as emoções que percorreram sua alma enquanto você navegava pela internet nas últimas horas. Você se irritou ao ler um absurdo no...

Bruna Santini
Bruna Santini

Bruna Santini

6 min
Vida cristã

Amizade: caminhando juntos à Eternidade

Independentemente da cultura, época ou lugar, ter um amigo é considerado algo bom. Amizades fizeram parte de diversas histórias, algumas muito antigas e...

Marco Antônio Chiodi Jr.
Marco Antônio Chiodi Jr.

Marco Antônio Chiodi Jr.

6 min
show de rock
Liturgia

O protesto estético: do rock à ressurreição

Dia 13 de julho é considerado o dia do rock. Além da data comemorativa em homenagem a um dos movimentos culturais mais influentes da história, fico pensando...

Bruno Maroni
Bruno Maroni

Bruno Maroni

4 min